quarta-feira, 23 de outubro de 2013

ESTE SEU OLHAR

Seu olhar me marca
seu olhar me molha
seu olhar me morde
seu olhar me move.

Dependo do seu olhar,
careço de seu olhar,
sou cliente de seu olhar,
sou condizente com seu olhar.

O seu olhar me olha tão bonito,
vê até o infinito,
me encanta
o encontro
de nossos olhares.

[gustavo drummond]

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Adriana Leal


BATALHA DAS PALAVRAS

Caminho para a última batalha, com serenidade...
Na morada de minhas armas, as palavras.
A vida passa e estamos em torno
Dos desconhecidos sentidos da vida,
Sentimentos perdidos na modernidade,
Que se abrem além das limitações e fronteiras.
São raros os que conseguem modificar
As páginas do livro do destino,
As pessoas falam, entregam-se e partem
Sem conhecer a vida..
O fim sempre será o começo de algo,
Ou, simplesmente, a espera marcada de nossas vidas.
Enquanto o rosto e a voz, ficam submersos em minha solidão,
Nas veias corre o sangue, que alimenta a minha alma,
Na fome das palavras...

Adriana LealBATALHA DAS PALAVRAS

Caminho para a última batalha, com serenidade...
Na morada de minhas armas, as palavras.
A vida passa e estamos em torno
Dos desconhecidos sentidos da vida,
Sentimentos perdidos na modernidade,
Que se abrem além das limitações e fronteiras.
São raros os que conseguem modificar
As páginas do livro do destino,
As pessoas falam, entregam-se e partem
Sem conhecer a vida..
O fim sempre será o começo de algo,
Ou, simplesmente, a espera marcada de nossas vidas.
Enquanto o rosto e a voz, ficam submersos em minha solidão,
Nas veias corre o sangue, que alimenta a minha alma,
Na fome das palavras...

Adriana Leal

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

força feminina

.Uma mulher de força Percebe que os erros na vida, também podem ser bênçãos inesperadas e aprende com eles.Uma mulher forte tem o olhar de segurança na face.Uma mulher de força tem a graça.Uma mulher forte acredita que ela é forte o suficiente para a jornada... Uma mulher de força tem fé que é durante a jornada que ela se tornará forte.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

A vida me ensinou...



A dizer adeus às pessoas que amo, sem tirá-las do meu coração;
Sorrir às pessoas que não gostam de mim,
Para mostrá-las que sou diferente do que elas pensam;
Fazer de conta que tudo está bem quando isso não é verdade, para que eu possa acreditar que tudo vai mudar;
Calar-me para ouvir; aprender com meus erros.
Afinal eu posso ser sempre melhor.
A lutar contra as injustiças; sorrir quando o que mais desejo é gritar todas as minhas dores para o mundo.
A ser forte quando os que amo estão com problemas;
Ser carinhoso com todos que precisam do meu carinho;
Ouvir a todos que só precisam desabafar;
Amar aos que me machucam ou querem fazer de mim depósito de suas frustrações e desafetos;
Perdoar incondicionalmente, pois já precisei desse perdão;
Amar incondicionalmente, pois também preciso desse amor;
A alegrar a quem precisa;
A pedir perdão;
A sonhar acordado;
A acordar para a realidade (sempre que fosse necessário);
A aproveitar cada instante de felicidade;
A chorar de saudade sem vergonha de demonstrar;
Me ensinou a ter olhos para "ver e ouvir estrelas",
embora nem sempre consiga entendê-las;
A ver o encanto do pôr-do-sol;
A sentir a dor do adeus e do que se acaba, sempre lutando para preservar tudo o que é importante para a felicidade do meu ser;
A abrir minhas janelas para o amor;
A não temer o futuro;
Me ensinou e está me ensinando a aproveitar o presente,
como um presente que da vida recebi, e usá-lo como um diamante que eu mesmo tenha que lapidar, lhe dando forma da maneira que eu escolher.

Charles Chaplin


sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Sentir saudades...
(Jenário de Fátima)

Sentir saudades?... Quem é que não sente?
Afinal apenas somos só humanos.
Mas a saudade às vezes é latente
e nos carrega ao mundo dos insanos.

E nesta coisa de se estar carentes,
vemos no passar lento dos anos,
que aqueles sonhos de outrora presentes
vão dando espaço à voz dos desenganos.

Assim, ante o incomodo desconforto,
de se ver passar anos sempre iguais.
Qual errante nau que procura porto,

No horizonte extremo de longínquo cais,
Singramos ondas de um oceano morto,
Onde sereias já não cantam mais...