quarta-feira, 19 de julho de 2017

sobrevivente


Essa sensação, de vez em quando, de ser estrangeiro
e não saber falar o idioma local, de ser meio ET, 
uma espécie de sobrevivente de uma civilização extinta. 
Essa intensidade toda em tempo de ternura minguada.
Esse amor tão vívido em terra em que a maioria parece 
se assustar mais com o afeto do que com a indelicadeza. 
Esse cuidado espontâneo com os outros. 
Essa vontade tão pura de que ninguém sofra por nada. 
Esse melindre de ferir por saber, com nitidez, como dói 
se sentir ferido.
Ana Jacomo

Nenhum comentário: