quinta-feira, 12 de outubro de 2017

INESQUECÍVEIS ! Forever young, still love you

Houve um tempo em que a gente chorava sim !
Mas era um choro somente de amor,
de saudade que vinha junto com tanta esperança.
Havia confiança no outro. 
Uma certeza tão grande na dignidade do ser
que o choro era de um sentimento para não perder. 
Esperando a volta,
as lágrimas escorriam no rosto,
 inundavam mesmo. 
Ah... a antiga esperança no ser !!!

sábado, 9 de setembro de 2017

Falta ...

Sua mentira 
Faz parte de a sua vida vazia, 
Dos dias sem rima
Das palavras sem sentido,
Sentimentos reprimidos, 
Ou do silêncio que esconde
Um fardo,
Um asco.
Sem identificação  !

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Não sabe ?

Sabe porque o silencio machuca?
Porque ele esconde palavras que gostaríamos que fossem ditas.
 Sabe porque a traição dói tanto?
 Porque nunca vem dos inimigos e
 sim das pessoas que mais amamos na vida.
Sabe porque não existe um meio de voltar no tempo?
Porque se existisse nunca aprenderíamos a seguir em frente!


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

É desse jeitinho que te amo ...❤️ 

Não me ame, 
da forma mais fácil de se amar.
Não sabes que os olhos traem ?
Que o tempo denuncia ?
Que a beleza se apaga ?

Ama-me,
como ama o vento
quando corre solto
carregando o perfume dos pinheiros.

Ama-me
mesmo dentro de minha ausência,
quando sua alma, já inquieta,
fizer de seus olhos saudades.

Ama-me,
como um poeta.
Que, por não saber amar,
faz dos sentimentos seu maior castigo.

__ Bruno de Paula

domingo, 20 de agosto de 2017

Vim dizer-te para esperares que eu fale.
Pus na mala alguns ressentimentos.
Um ou dois.
Um pouco de dor.
O que me lembro.
Algumas palavras boas,
É a tua vez.
Tudo o que restou, 
Espalhei na garganta.
Estou aqui. Não tenhas medo. Abre a porta.
Não vim para ficar alguns dias.
Vim buscar-te.

(Khalil Gibran)

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Quando as estrelas partem ... o coração !

A  música que não tocou,  
Matou a esperança.
 que você nem viu,
Não sentiu.
Não esperou !!!
E isso é tudo !


quinta-feira, 10 de agosto de 2017



Não fale.
 Um sopro, a menor vogal pode me desamparar.
 E se eu abrir a boca minha alma vai rachar.
 O silêncio, aprendo, pode construir. É um modo
 denso/tenso - de coexistir.
 Calar, às vezes, é fina forma de amar.

Affonso Romano de Sant'Anna

terça-feira, 1 de agosto de 2017

MOVIMENTO

Move-se o vulcão extinto,
Caminha o rio deserto,
Perambula o mar tonto
Corre sangue na veia estática,
Ritual profano, faminto,
O longe agora está perto,
A interrogação é um ponto
de partida; solução prática
para questão insolúvel,
para uma vida volúvel,
vislumbrando o tempo presente.

(gustavo   drummond)

domingo, 30 de julho de 2017

Com ou sem você U2


Deixo-te livre para sentir minha falta,  se é que faço falta.
Tens meu número (endereço), na verdade,
meu coração.
Então se sentir vontade de falar comigo, me procure você;"

 (?)  dúvidas sobre a autoria ... 

quarta-feira, 19 de julho de 2017

sobrevivente


Essa sensação, de vez em quando, de ser estrangeiro
e não saber falar o idioma local, de ser meio ET, 
uma espécie de sobrevivente de uma civilização extinta. 
Essa intensidade toda em tempo de ternura minguada.
Esse amor tão vívido em terra em que a maioria parece 
se assustar mais com o afeto do que com a indelicadeza. 
Esse cuidado espontâneo com os outros. 
Essa vontade tão pura de que ninguém sofra por nada. 
Esse melindre de ferir por saber, com nitidez, como dói 
se sentir ferido.
Ana Jacomo

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Prematuro



Comer os frutos
antes de estarem maduros,
beber da virgem fonte
antes que exista  fome,
participar dos cultos
enquanto não se é  ateu,
desfrutar o futuro
dantes que se faça presente,
assumir  um nome
sem  que haja  o   eu,
se deliciar com o amor,
quando  nada se sente.

(gustavo  drummond)

quinta-feira, 13 de julho de 2017

ACIDENTE  LÚDICO

Eclodiu  uma estrela
Na  intimidade de minha alma.
implodiu uma  rosa de ônix
na profundidade de meu olhar.
Emergiu um  pensamento  atroz
Na  atrocidade do amor.
Nasceu uma manhã do lado direito
Do estreito de coral, colocado
entre sargaços e savanas,
do mar do sertão árido.
E tudo ficou resumido
No contexto do poema.
No incesto astral,
No destro ser,
Da sinfonia inacabada.

(Gustavo  Drummond)

sábado, 1 de julho de 2017

Divagações



afirmam os estetas:
 ter certeza
 é subjetivo
 substantivo
 sincretismo
 concreto
 objeto indireto
 verbo intransigente
 entre dúvidas, certezas
 (pobre da gente ...)
 vamos vivendo
 sem pressa
 sem preço
 sem paz
 quase certamente ...

[Gustavo Drummond

segunda-feira, 26 de junho de 2017

TARDE DEMAIS

Eu tinha planos
para serem construidos,
tantas coisas para fazer,
muitos versos para escrever,
sonhos ousados, insanos,
ideias inacabadas,
tudo num repente
demolido, destruído,
a hora estava marcada,
eu não queria, nem sabia,
um golpe traiçoeiro, inclemente
colocou fim em minha vida,
sem fala, sem ver, nada ouvia,
vazio imenso, um branco total,,
sem adeus, meu ponto final.

[gustavo drummond]

domingo, 11 de junho de 2017

~○○~  E um dia você vai perceber que valeu a pena sim, cada lágrima, cada palavra sem sentido que você ouviu por ai, cada porta que bateram impiedosamente em sua cara, cada rejeição, humilhação, dor ou sofrimento. Pode até parecer absurdo o que falo, mas um dia você vai sentir sim, que tudo valeu a pena, que tudo foi preciso, para que você pudesse entender que as vezes certas situações nos tornam sábios , que certas dores nos tornam fortes e que certas humilhações nos fazem ser honrados por Deus... nada é em vão nesta vida, tudo é aprendizado... tudo é crescimento.
Tenho aprendido tanto...
__________Cecília Sfalsin

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Novo coração...

A vida arrancou de mim lágrimas...
mas nao conseguiu apagar o meu sorriso.
A vida partiu o meu coração...
mas nao conseguiu partir a minha alma.
Roubou-me ilusões,
mas nao consegue tirar meus sonhos.
A vida poderá, ao longo dos anos, colocar outras rugas em meu rosto...
mas, nao conseguirá envelhecer o meu coração !

quarta-feira, 31 de maio de 2017

terça-feira, 30 de maio de 2017

Confesso



houve um tempo, quem diria,
vento, chuva, ventania
acuavam os meus saltos
nos porões do pensamento
inquietas, as nuvens da manhã
na vigília das coisas dormentes
corria pelo meu céu inteiro, todinho
vasculhando os cantos
catando as folhas das falhas
deitando rastros e fachos
da poeira do julgamento
que, dementada, importava.
houve um lugar, quem queria
vulto, sombras, sesmarias
esparramadas pelo planalto
nos sotões do firmamento,
açoitando os encantos,
 minando molhos das, malhas,
apagando digitais,frutas e cachos;,
sinto  o que alguém sente,
o estar com voce, sozinhos
se eternizando em efêmero momento.

(Lena Ferreira/Gustavo Drummond)

sábado, 27 de maio de 2017

A procura



" Não quero alguém que morra de amor por mim. Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim... Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim...
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível. E que esse momento será inesquecível. Só quero que meu sentimento seja valorizado. Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre.
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor. Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras,
alguém me valoriza pelo que sou... "

(Mário Quintana)