terça-feira, 30 de maio de 2017

Confesso



houve um tempo, quem diria,
vento, chuva, ventania
acuavam os meus saltos
nos porões do pensamento
inquietas, as nuvens da manhã
na vigília das coisas dormentes
corria pelo meu céu inteiro, todinho
vasculhando os cantos
catando as folhas das falhas
deitando rastros e fachos
da poeira do julgamento
que, dementada, importava.
houve um lugar, quem queria
vulto, sombras, sesmarias
esparramadas pelo planalto
nos sotões do firmamento,
açoitando os encantos,
 minando molhos das, malhas,
apagando digitais,frutas e cachos;,
sinto  o que alguém sente,
o estar com voce, sozinhos
se eternizando em efêmero momento.

(Lena Ferreira/Gustavo Drummond)

Nenhum comentário: